Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

mil e quinze

Livros, séries, filmes e muito mais ♥

06
Fev22

SÉRIES: And Just Like That...

Vera

Sou fã de Sex and the City; pelo menos da série, dos filmes não tanto. De vez em quando gosto de rever a série, em jeito de conforto daquilo que já conheço, das histórias que já me são familiares, das personagens que conheço cada vez melhor a cada vez que volto a ver a série. Portanto, sabia que ia querer ver o revival desta: And Just Like That..., uma série com as mesmas personagens (exceptuando a Samantha), cerca de 20 anos depois.

 

 

Revival do fenômeno "Sex and the City", And Just Like That… é baseada no romance "Ainda Há Sexo na Cidade?", de Candace Bushnell (também autora do livro que inspirou a série original da HBO). Voltam para a trama a colunista Carrie Bradshaw (Sarah Jessica Parker), a advogada Miranda Hobbs (Cynthia Nixon) e a marchand Charlotte York (Kristin Davis). Agora, as três mulheres enfrentam questões típicas da meia-idade: a perda da juventude, a pressão estética de envelhecer, casamentos que se transformam em divórcios, filhos crescendo e novas aspirações profissionais. Amor, sexo e amizade se misturam mais uma vez na vida de Carrie, Miranda e Charlotte, tendo como pano de fundo clássico a cidade Nova York. Fonte: AdoroCinema

 

Agora que terminou e que posso olhar para trás e ver a série como um todo, confesso que de um modo geral acabo por achar que foi um pouco estranha. A série fez questão de demarcar uma posição completamente diferente da sua precedente, de se afirmar enquanto série de 2021/22, com tudo o que isso e os nossos tempos actuais implicam. Fez questão de mostrar que quer ultrapassar alguns pensamentos problemáticos, fez questão de mostrar as personagens a adaptarem-se a determinados assuntos, termos, problemáticas dos dias de hoje - que não existiam na altura de Sex and the City. E esta afirmação por parte da série chegou a ser um tanto ou quanto constrangedora - e não consigo decidir comigo mesma se isso foi intencional ou não. Chegou a parecer um pouco forçado o esforço que fizeram ao tentar incluir tantas problemáticas dos dias de hoje - a minha reacção inicial foi pensar no porquê de não fazerem isso de modo mais natural, e depois pensei se não foi efectivamente propositado, tendo em conta que a série gira em volta de mulheres nos seus 50s, também elas a tentarem ajustar-se às ideias do mundo actual, completamente diferente daquele que conheciam há 20 anos. Em todo o caso, essa estranheza foi mais sentida por mim no início, já que senti a história e os assuntos a fluírem de modo mais natural com o passar da temporada.

 

Parece contraditório dizer-vos agora que uma das coisas que mais gostei na série foi o modo como introduziram algumas dessas problemáticas na vida de uma das personagens especialmente: a Charlotte. Quem viu Sex and the City conhece esta personagem como ninguém, e achei que a evolução e crescimento pessoal dela neste revival foi absolutamente incrível! Provavelmente uma das poucas em que nunca senti ser tão forçado esse ajuste aos tempos actuais. Os conflitos internos e dúvidas que teve enquanto mãe são legítimos, e ao mesmo tempo sempre tentou fazer aquilo que achava ser melhor nesse papel que desempenha. Foi uma Charlotte simultaneamente tão diferente da de Sex and the City na sua flexibilidade e abertura, e tão igual na sua genuína dedicação e preocupação. Os enredos em volta dela foram, de um modo geral, muito bem construídos e pertinentes.

 

Pode parecer estranho mas não consigo não vos falar da série assim, por personagens. Dito isto, acabei por achar o enredo da Miranda um pouco estranho, e não sei precisar o porquê. Penso que a execução falhou ali um pouco em certos elementos, pelo que senti muitas vezes que queria compreender a personagem mas não conseguia - pelo menos, não totalmente.

 

Por fim, aquilo que aconteceu logo de início na vida de Carrie foi também o que fez a temporada desenrolar, já que ela é a verdadeira protagonista da série. Também achei que o crescimento pessoal dela, sobretudo aquele ligado "ao acontecimento", foi muito bem construído e trouxe temas pertinentes e um elemento que sinto que até estava a faltar na história destas mulheres. Além disso, também nos mostrou uma nova Carrie, também ela adaptada aos novos tempos - deixando de escrever crónicas (porque já ninguém está para ler, infelizmente) e passando a um novo formato, com uma maior confiança da parte dela.

 

Para resumir, a série teve os seus elementos estranhos e constrangedores, mas de um modo geral gostei bastante do que vi. Não se faz ideia se vai haver uma segunda temporada ou não, mas o final foi bem rematado o suficiente para não precisarmos de mais. Conseguiu fechar todas as histórias de forma clara, sem demasiada margem para dúvidas, o que ajuda a não sentir uma enorme frustração se a série se ficar mesmo por aqui. Para quem gosta de Sex and the City, esta é uma série para ver!

 

4.JPG

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

29 ∷ Miúda do interior com alma de lisboeta ∷ Digital marketeer ∷ Overthinker a tempo inteiro ∷ Sempre a saltar de livros para séries para jogos nas horas vagas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

📖 A ler:

📺 A ver:

Devs, Temporada 1
Friends, Temporada 8 (a rever)
Daredevil, Temporada 3
Mad Men, Temporada 1
Schitt's Creek, Temporada 4
Guillermo del Toro's Cabinet of Curiosities, Temporada 1

🎮 A jogar:

Stardew Valley
Tomb Raider
Pokémon Gold

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D