Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

mil e quinze

Livros, séries, filmes e muito mais ♥

27
Nov22

FILMES: Black Panther: Wakanda Forever

Vera

Na altura em que Chadwick Boseman faleceu, eu ainda não tinha visto todos os filmes da Marvel e conhecia muito pouco deste universo - de Black Panther, então, não conhecia absolutamente nada a não ser o título. Não foi por isso que não foi pesado, triste e emocionante ver a sequela do filme original: Black Panther: Wakanda Forever, todo ele uma grande homenagem a Chadwick Boseman, aquele que será para sempre o verdadeiro Black Panther.

 

Black Panther Wakanda Forever

 

Como já seria de se esperar, este filme ocorre após a morte de T'Challa. Sem o famoso símbolo de Black Panther, o resto do mundo acredita que Wakanda está agora mais desprotegida, aproveitando para explorar formas de conseguir obter a substância mais poderosa do mundo, que apenas existe em Wakanda. Mas será que Wakanda é realmente o único sítio do mundo que detém esta substância? Black Panther: Wakanda Forever mostra como as figuras mais autoritárias de Wakanda se erguem para defender e proteger a sua nação, ao mesmo tempo que lutam contra um novo mas poderoso inimigo.

 

Sinceramente, acho que não tenho nada de negativo a apontar sobre este filme. Gostei do enredo, gostei da forma como Wakanda "superou" a morte do seu rei. Gostei do filme como um todo enquanto homenagem a Chadwick Boseman - cheguei mesmo a ficar arrepiada em algumas partes. Gostei da forma como mostraram Talokan e como conseguiram criar um mundo tão diferente e tão bonito. Gostei muito, muito mesmo, do novo vilão e do ator escolhido para o representar - gostei da personagem de Namor no geral e espero ver mais dele daqui para a frente.

 

Black Panther: Wakanda Forever é um filme que não nos deixa esquecer a ausência que ali se nota, mas digo-o no melhor sentido. Não há nada no enredo que pretenda substituir o verdadeiro Black Panther por outro qualquer. Ao mesmo tempo não é um filme que nos atira à cara o tempo todo que uma personalidade importante faleceu, e é precisamente nesses momentos pontuais (depois da introdução inicial, que se alongou mais) que encontramos brilho.

 

E por falar em introdução, esta foi provavelmente dos momentos mais fortes do filme, aquele em que se sentiu mais fortemente a despedida de quem deu vida a T'Challa, a Black Panther. E quando passou a introdução com o próprio título da Marvel, em vez de ouvirmos a música que a caracteriza, escutámos um silêncio absolutamente ensurdecedor na sala de cinema inteira. E este momento foi qualquer coisa.

 

Sei que esta review está muito centrada na morte do ator, na homenagem do filme - mas como não estar? Dou os parabéns a quem escreveu e realizou este filme, porque acho que não deve ser fácil criar uma obra inteira que sirva para homenagear um ator, ao mesmo tempo que tem de tentar dar seguimento à história sem desrespeitar o marco em que esse ator se tornou. Recomendo que vejam, vale muito a pena.

 

4.JPG

 

Quem aqui já viu? Deixei alguém com vontade?

19
Nov22

FILMES: Barbarian

Vera

Muito se tem falado deste filme, havendo quem diga que é um dos melhores filmes de terror dos últimos tempos.

 

Barbarian

 

Em Barbarian, Tess Marshall descobre que a casa que alugou (uma espécie de Airbnb) está na verdade ocupada por um outro estranho que alugou a mesma casa para a mesma altura. Sem conseguirem resolver a situação, Tess resolve passar a noite na casa, mesmo que isso implique conviver com um completo estranho. Acontece que esse estranho não é o que de pior há naquela casa...

 

Não diria que este é um dos melhores filmes de terror dos últimos tempos mas, apesar de ter acabado por não ser bem o que esperava, também não é definitivamente dos piores. Avancei para a visualização deste filme sem saber ao certo do que se tratava e começou bastante bem. Em termos técnicos, Barbarian é um filme bastante bom. Aquilo que mais me vai ficar na memória será o trabalho de câmara e a fotografia/utilização da luz. Também houve, ali pelo meio, um esforço de incluir elementos narrativos mais cómicos que resultaram muito, muito bem. E conseguir fazer isso num filme de terror é por si só uma grande proeza.

 

No entanto, como não sabia muito bem ao que ia, tenho de confessar que o enredo principal não foi ao encontro daquilo que estava à espera. Isto não quer dizer que seja mau, pelo contrário... Mas nunca me passou a estranheza de "ah, ok... não era bem isto que eu queria". Acabou por descer um pouco na minha classificação porque não correspondeu exactamente às minhas expectativas. No entanto, e dentro de um género onde é cada vez mais difícil fazer algo verdadeiramente bom, Barbarian consegue ser um excelente filme, de um modo geral.

 

E a parte que eu considero mais importante e mais interessante no filme diz respeito às importantes críticas sociais que este faz, sobretudo no que toca ao machismo e ao abuso sexual. Se forem sensíveis a estes temas, talvez não seja um bom filme para ver. Se, por outro lado, não vos afectar significativamente, então avancem sem medo. Se gostarem de filmes de terror, este é um bom filme para ver. Para os mais medrosos, o terror não é sobrenatural - acredito que isso torne a sua visualização um pouquinho mais fácil.

 

4.JPG

 

Quem aqui já viu? Deixei alguém com curiosidade? Pode ser visto no Disney+.

07
Nov22

FILMES: Mr. Harrigan's Phone

Vera

Um trailer que apanhei um dia, por acaso, no Twitter - que me despertou um misto de estranheza mas também intriga e curiosidade.

 

Mr Harrigans Phone

 

Baseado na compilação de contos If It Bleeds, de Stephen King, Mr. Harrigan's Phone mostra-nos como Craig, um adolescente, cria uma peculiar mas especial amizade com Mr. Harrigan - um idoso bilionário que vive isolado na sua grande casa -, após começar a fazer alguns trabalhos pontuais para o mesmo. Algum tempo após o adolescente oferecer um telemóvel a Mr. Harrigan, o idoso morre. Craig deixa o telemóvel no bolso de Mr. Harrigan antes do enterro e, num momento de saudade, envia-lhe uma mensagem. E fica chocado quando recebe uma resposta de volta.

 

Sinceramente, quando vi o trailer não fazia qualquer ideia da história - acho que nem sabia que era baseado numa obra de Stephen King. Não acredito muito que tivesse visto este filme se tivesse lido a sinopse; sinto que o trailer transmitiu algo bastante diferente do que o filme acabou por ser (e é por estas e por outras que eu não gosto de ver trailers).

 

O filme começou bem, com algumas sequências de cenas especialmente bonitas e memoráveis de Craig a ler com e para Mr. Harrigan, acompanhadas de um soundtrack bastante bonito. Mas sinto que se foi tornando uma mixórdia de elementos que estavam a tentar ir para vários lados sem ao mesmo tempo ir para lado nenhum. O filme perdeu muito o rumo, especialmente depois da morte de Mr. Harrigan.

 

Em termos de terror, é um filme bastante fraco. Em termos narrativos, é um novelo de lã caótico, ao mesmo tempo que é só um grande vazio. Não consegui perceber o propósito do filme, a crítica que estava a tentar fazer. Eu acho (acho!) que se pretendia que fosse uma crítica aos telemóveis, a estarmos tão agarrados a estes aparelhos, à Internet... Mas acho que a execução dessa crítica quase nem começou - foi tudo tão, tão mal feito que realmente não deu para perceber. O filme deixou-me com uma grande sensação de "mas o que raio estão vocês a tentar dizer aqui ao certo?". De facto, não dá para perceber.

 

Nunca vi um filme que tivesse tido tanta dificuldade em expressar-se. O que é extremamente estranho. Sinto que foi feito por alguém que queria dizer "telemóveis e Internet são maus" e ficou-se por aí, sem ser capaz de desenvolver a ideia. A história em si também é estranha, não nos é explicado como e porque é que está a acontecer uma suposta comunicação "do além", não nos é explicado como Craig chega à conclusão final, não nos é explicado porque é que os acontecimentos após a morte de Mr. Harrigan ocorrem, e como.

 

Realmente achei este um péssimo filme, não consigo recomendar. Não tem nada por onde se lhe pegue, muito fraquinho. Só vale a pena pelos actores e pelas cenas iniciais.

 

2.5.JPG

 

Alguém aqui já viu? Há alguém desse lado que tenha gostado?

03
Nov22

FILMES: Encanto

Vera

Precisamos de falar sobre o Bruno. Quanto mais não seja por fazer parte de um dos melhores filmes da Disney.

 

 

Encanto introduz-nos à família Madrigal: a avó Madrigal viu, no seu passado, a sua vida mudar de um momento para o outro e, sem qualquer forma de sustentar a sua família, foi-lhe dada uma segunda oportunidade - como que por magia, nasceu uma casa encantada que não só acolheu a família, como deu origem a toda uma aldeia mágica cheia de habitantes. Por décadas e décadas todos os filhos e netos da avó Madrigal recebem, a certa altura da sua vida, o seu próprio poder mágico - e com ele, a sua própria porta e divisão na casa. Até que chega a vez da sua neta Maribel, que estranhamente será a única na família que não recebe qualquer poder. Com o tempo, a magia começa a desaparecer, a casa onde todos vivem começa a ceder e a mostrar sinais de ruína... e tudo isto parece estar relacionado com Maribel.

 

O que vos posso dizer sobre este filme em poucas palavras: gostei imenso quando vi e quanto mais tempo passou gostei cada vez mais. O filme é um musical, coisa que ao início me fez torcer o nariz - não sou a maior fã de musicais - mas, sendo um filme de animação, consigo relevar mais ou menos esse pormenor. Eventualmente deixei-o de lado por completo porque o filme é realmente muito bom. Tanto que, quase três semanas depois, continuo a cantar a música We Don't Talk About Bruno pela casa, todos os dias.

 

A história é bastante interessante, a animação em si é maravilhosa - as cores no geral e as expressões faciais das personagens estão absolutamente incríveis. As músicas também são dos pontos mais positivos a destacar - se já conhecia o nome de Lin-Manuel Miranda, foi aqui que percebi que ele é realmente um muito bom compositor. A sério, vou deixar-vos com a We Don't Talk About Bruno aqui em baixo - atentem na parte em que todos cantam ao mesmo tempo, cada um com estilos e ritmos diferentes, e soa tudo muito bem na mesma! Também conseguem perceber o bom trabalho nas expressões faciais aqui.

 

Em suma, este é definitivamente um dos melhores filmes da Disney - a última vez que fiquei tanto tempo a cantar músicas de um filme foi com o Frozen que, adivinhem, é um dos meus filmes favoritos. Sem dúvida que recomendo! Gostei mesmo muito.

 

4.JPG

 

Quem aqui já viu? O que me dizem deste filme?

 

26
Out22

FILMES: Werewolf by Night

Vera

Em verdadeiro espírito do mês de Halloween, a Marvel lançou um especial dedicado aos clássicos e filmes antigos de terror. Não torçam o nariz com a palavra "Marvel" - não tem nada a ver com as suas obras típicas e, para quem gosta de filmes antigos de terror, Werewolf by Night é uma boa escolha.

 

Werewolf By Night

 

Werewolf by Night gira em torno de um grupo secreto de caçadores de monstros que se encontram, numa noite, no Templo Bloodstone após o seu líder ter morrido. Como era o seu último desejo, esta noite torna-se numa competição perigosa e mortal por uma poderosa relíquia - competição essa que acabará por colocá-los frente a frente com um monstro perigoso.

 

Com cerca de 50 minutos, este especial passa a correr e é uma verdadeira homenagem aos filmes de terror dos anos 30 e 40 - sendo também a preto e branco. Apresenta uma história e alguns elementos interessantes e é um bom filme para Sábado à noite.

 

Gostava de ver mais obras da Marvel deste tipo, onde se arriscam em géneros e histórias fora da sua zona de conforto - e algo me diz que ainda teremos surpresas nesse aspecto. Esta é uma obra que se vê super rápido e faz passar um bom tempo. Recomendo para quem tenha interesse neste tipo de produções. Pode ser visto no Disney+.

 

3.5.JPG

 

Alguém aqui já viu?

18
Out22

FILMES: Em que Pensam os Gatos

Vera

Depois de algum tempo assoberbada pela quantidade infinita de coisas para ver no catálogo da Netflix, sem saber exactamente o que escolher, acabei por aterrar (não surpreendentemente) num pequeno documentário sobre gatos.

 

Inside the Mind of a Cat documentário sobre gatos

 

Inside the Mind of a Cat, como é originalmente intitulado, tem cerca de 1h e, como já referi, é um documentário que nos fala sobre gatos. Para mim, é uma situação win-win: saímos do documentário mais enriquecidos em informação felídea e passamos cerca de uma hora a olhar para bichinhos fofos e adoráveis. A partir daqui, acho que já nem devia precisar de escrever mais nada para vos convencer.

 

Mas para os mais teimosos, cá vamos: o documentário conta com a participação de vários especialistas e investigadores de gatos, bem como duas treinadoras, e é bastante diversificado nos temas de que nos fala. Explica-nos como os gatos foram domesticados, historicamente; como os gatos pretos especificamente foram associados às bruxas; se e como percecionam as emoções dos seres humanos/donos; como treinar e "controlar" o seu comportamento; diferenças culturais entre gatos; e toda uma panóplia de outros temas. Já tinha conhecimento de algumas coisas, mas não de outras e acabei por aprender bastante com o documentário.

 

É uma hora que passa a correr, aborda uma imensa diversidade de assuntos e é sempre interessante por nos permitir aprender coisas novas. E lá está, volto a repetir: é uma hora a olhar para bichos fofos. O que mais se pode querer na vida?

 

4.JPG

14
Out22

FILMES: Back to the Future

Vera

Um clássico que ainda não tinha visto.

 

Back to the Future

 

"Doc" Brown é um velho e excêntrico cientista a quem ninguém liga muito, com excepção do seu amigo adolescente Marty McFly. Doc consegue finalmente alcançar um dos seus maiores objectivos de construir uma máquina do tempo e, após alguns incidentes, Marty acaba a usar esta máquina sozinho, fazendo-o viajar até à época de adolescência dos seus pais. Rapidamente a experiência se torna aquilo que mais se quer evitar numa viagem ao tempo: os factos do passado começam a alterar-se perante Marty, fazendo com que este tente ao máximo repor tudo exactamente como era, caso contrário tem à sua frente um futuro perigoso e imprevisível. E claro, faz tudo isto com a ajuda de um Doc mais jovem.

 

Ao início estranhei um pouco o filme porque tem alguns elementos um pouco excêntricos e bizarros. Mas, como se costuma dizer, "primeiro estranha-se, depois entranha-se" - acabei por me habituar e foi um filme bastante satisfatório. Marty conseguiu recuperar o seu presente e fazer com que tudo ficasse ainda melhor. O filme deu-nos o "final feliz" que todos esperávamos ter.

 

Se houvesse uma crítica a fazer, diria que foi um pouco incómodo (para mim) o comportamento de uma das personagens - embora para a época talvez fosse considerado normal. Em todo o caso, é um mal menor que não tem grande importância quando se olha para o filme como um todo. O filme termina também com o que acredito ser uma "amostra" do que o próximo filme nos vai mostrar, já que Back to the Future acabou por ser uma trilogia. Eventualmente, pretendo ver os restantes dois filmes.

 

Em suma, acabei por gostar muito do filme, e consigo ver como possa ter sido um filme icónico para a época dentro do género da ficção científica.

 

4.JPG

10
Out22

FILMES: Luca

Vera

Mais um Domingo... mais um filme da Pixar. Desta feita, foi a vez do filme Luca. Para os curiosos, na lista para ver nos próximos tempos ainda temos Encanto e Turning Red.

 

Luca Pixar

 

Luca é aquilo que os humanos chamam de monstro do mar. E como somos todos humanos e sabemos o quão mauzinhos conseguimos ser, é claro que estes monstros do mar não são criaturas bem-vindas e muitos até se dedicam a tentar capturá-los. A família de Luca proíbe-o de se aproximar da terra, mas Luca sempre sonhou em conhecer tudo aquilo que está para lá do mar. É quando Luca conhece Alberto - um outro monstro do mar que se aventura habitualmente fora dele - que este tem coragem de sair do mar, afastar-se da família e tudo o que conhece para entrar numa descoberta daquilo que a terra e os seres humanos têm para oferecer.

 

Luca é acima de tudo um filme sobre aceitação e acolhimento da diferença, bem como sobre tirar um bocadinho os pés do chão para voarmos e irmos à descoberta do desconhecido. Não achei um filme tão bom como Coco, mas ainda assim cumpre bem o propósito de entreter sem ser de todo uma experiência desagradável. É um filme bonito. Se tivesse de fazer uma crítica seria que acho que lhe falta muito do ar e cultura italiana - foi o que me fez querer avançar para o filme, porque tenho um bichinho com Itália, mas achei que não teve tanta envolvência como outros filmes que se focam em culturas exteriores à americana.

 

3.5.JPG

 

Quem aqui já viu?

06
Out22

FILMES: Coco

Vera

Um dos filmes que mais queria ver desde o dia em que saiu.

 

Coco Pixar

 

Um dos antepassados de Miguel sofreu muito nas mãos de um músico e, a partir daí, a família passou a detestar tudo o que estivesse relacionado com música, proibindo o assunto de geração em geração. Mas Miguel é uma criança de 12 anos que sonha em ser guitarrista, inspirado a seguir os passos do seu falecido ídolo Ernesto de la Cruz, apesar de a família não aprovar. É então no Dia de los Muertos que Miguel consegue, por magia, entrar no mundo dos mortos. Mas para sair precisa da bênção de familiares... Algo difícil quando o que mais se quer fazer na vida é aquilo que a família mais despreza.

 

Eu adorei este filme. Tem uma história muito bonita à volta de laços familiares mas também de identidade, das nossas paixões e sonhos. Embora com alguns elementos mais previsíveis (que nem por isso tornam o filme menos bom), existem algumas reviravoltas interessantes e o filme está carregado de história. Existem tantos elementos narrativos diferentes que o título do filme nem sequer tem nada a ver com Miguel (e ainda bem).

 

Fez-me chorar desalmadamente numa parte, achei o filme mesmo muito bonito e acho que é um dos melhores que já vi da Pixar. Recomendo muito!

 

4.5.JPG

 

Quem conhece este filme?

12
Set22

FILMES: Derren Brown: Sacrifice

Vera

Um dia, algures na minha vida, dei de caras com este título na Netflix e guardei-o para ver mais tarde. A premissa era simples: Derren Brown, um mentalista, tenta convencer uma pessoa a levar um tiro por um desconhecido. Uma frase que soa exagerada demais para algo que foi obviamente feito de forma ética. Na verdade, entraram aqui factores que julgo serem bem mais importantes que isto.

 

Derren Brown Sacrifice

 

Sacrifice é uma espécie de documentário, com apenas cerca de 45/50 minutos, que nos mostra esta experiência que Derren Brown realizou com uma pessoa. Eu separei-me da Psicologia profissionalmente, mas não me separei dela pessoalmente e tudo o que seja relacionado interessa-me. Quanto mais não seja para ser a pessoa céptica que tem dificuldade em acreditar no que está a acontecer, que foi mais ou menos o caso aqui.

 

Derren Brown pegou em Phil, um homem evidentemente racista (particularmente contra cubanos e mexicanos), e fez uma série de experiências psicológicas para aumentar a sua determinação e diminuir o seu medo no geral (coisas necessárias para levar um tiro por alguém), aumentar a sua empatia e, na verdade, também torná-lo menos racista. Tudo isto para levar a um culminar encenado com uma série de actores em que Phil se veria numa situação difícil com um gangue de motards prontos a matarem um homem mexicano no meio do nada. De salientar que Phil acreditava estar envolvido numa experiência completamente diferente, não tendo conhecimento do que realmente se tratava.

 

Foi interessante ver algumas das técnicas usadas por Derren Brown, algumas assentes em coisas tão básicas como o condicionamento clássico. O que pareceu mudar mais significativamente a mentalidade racista de Phil foram os resultados de um teste de ADN onde descobriu ter alguma ascendência de outros países que à partida não lhe agradariam tanto. No entanto, não consigo decidir comigo mesma se achei a reacção dele genuína ou não.

 

Foi um documentário interessante, mas no final acabou por me parecer tudo uma encenação, até as reacções do próprio Phil. Começou a ficar tudo forçado demais e, sinceramente, houve uma técnica utilizada por Derren Brown que me deixou ainda mais céptica. Não acredito por um minuto na naturalidade daquilo que levou Phil a sair determinadamente do carro onde se encontrava para salvar o desconhecido. Só consigo pensar que, se estivesse no lugar dele, na verdade aquilo que Derren Brown fez ia fazer-me começar a desconfiar da situação inteira.

 

Em todo o caso, é uma experiência interessante de se assistir e acho que teve contornos importantes no que diz respeito a racismo. Embora haja um problema na conclusão final a que Derren Brown chega após esta experiência: que somos todos humanos e devíamos encontrar um meio-termo entre racistas e não-racistas. Não percebo onde é que há um meio-termo para encontrar com pessoas preconceituosas seja lá em relação ao que for. Pessoas racistas não acreditam na dignidade e igualdade de direitos, oportunidades, etc., em relação a outras raças. Não há nada para aceitar aqui com um "passou-bem" e "cada um com as suas opiniões".

 

Em todo o caso, do ponto de vista psicológico é uma experiência interessante, para quem gostar desses assuntos.

 

2.5.JPG

 

Alguém conhecia este documentário, ou Derren Brown? Fiquei curiosa por ver mais do seu trabalho, mas ao mesmo tempo acho que nunca vou parar de ser céptica.

Mais sobre mim

foto do autor

29 ∷ Miúda do interior com alma de lisboeta ∷ Digital marketeer ∷ Overthinker a tempo inteiro ∷ Sempre a saltar de livros para séries para jogos nas horas vagas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

📖 A ler:

📺 A ver:

Devs, Temporada 1
Friends, Temporada 8 (a rever)
Daredevil, Temporada 3
Mad Men, Temporada 1
Schitt's Creek, Temporada 4
Guillermo del Toro's Cabinet of Curiosities, Temporada 1

🎮 A jogar:

Stardew Valley
Tomb Raider
Pokémon Gold

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D